Quando a seletividade alimentar é um transtorno