Saiba Mais

O QUE SÃO TRANSTORNOS ALIMENTARES?

Transtorno alimentar é um transtorno mental que se define por padrões de comportamentos alimentares inadequados que afetam negativamente a saúde física e mental do indivíduo. De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) os transtornos mais comuns são: anorexia nervosa, bulimia nervosa e o transtorno de compulsão alimentar.

Anorexia Nervosa é caracterizada pela baixa ingestão calórica, a partir de restrições rigorosas que geram extremo baixo peso corporal no contexto de idade, gênero, trajetória do desenvolvimento e saúde física. Ademais, ocorre a apresentação do medo mórbido de engordar e perturbações quanto ao peso e à forma corporal; comumente, pode haver distorção da imagem corporal.

Bulimia Nervosa é descrita, por episódios de compulsão alimentar (consumir uma grande quantidade de alimentos em curto espaço de tempo) que acontecem periodicamente com comportamentos compensatórios inadequados. A característica mais evidente de pacientes bulímicos é a sua peculiar relação com a comida, cuja sensação é a de completa perda de controle. Esses episódios costumam acontecer às escondidas, preferencialmente quando a pessoa está sozinha, mas são acompanhados dos sentimentos de culpa, vergonha e de muito medo de engordar.

Transtorno da Compulsão Alimentar é caracterizado pela presença e episódios de compulsão alimentar acompanhado de uma sensação de falta de controle sobre a capacidade de comer. Após esses episódios é comum surgir sentimentos de aversão, depressão ou culpa. Alguns comportamentos são comuns a esses quadros, como roubar ou acumular comida em lugares estranhos e a realização de rituais para as sessões de compulsão.

TRANSTORNOS ALIMENTARES SÃO FREQUENTES NA NOSSA POPULAÇÃO?

Os Transtornos Alimentares ocupam a posição de terceira doença crônica mais prevalente em adolescentes do sexo feminino, depois da obesidade e da asma, e acham-se associados com às mais altas taxas de mortalidade entre as doenças psiquiátricas. As taxas de prevalência variam de acordo com cada diagnóstico, sendo os mais comuns: Anorexia Nervosa (0,1%), Bulimia Nervosa (1,16%), Transtorno da Compulsão Alimentar (3,5%).

QUEM ESTÁ EM RISCO?

O risco independe de idade, gênero, raça, religião, orientação sexual. Apesar de poder afetar a população geral, são considerados grupos de risco meninas adolescentes, homens e mulheres que sejam preocupadas excessivamente com a forma corporal e tenham como foco de trabalho exigências com relação ao corpo e alimentação, como modelos, bailarinas, atletas, estudantes de nutrição e educação física.

O QUE CAUSA UM TRANSTORNO ALIMENTAR?

É comum as pessoas quererem achar um “culpado”, algo que explique o surgimento da doença. Porém, o transtorno alimentar é resultado da interação entre vários fatores, o que comprova a complexidade dos casos. Há fatores classificados como predisponentes, desencadeadores e mantenedores. A cultura e o meio social, através da mídia, são facilmente identificados a partir dos padrões de beleza, nos quais são cultuadas as formas magras e definidas de um corpo perfeitamente surreal e extremamente desejado por quem quer que seja.

Por fator predisponente, entende-se as influências biológicas, genéticas e psicológicas do indivíduo. Já os fatores desencadeadores (ou precipitantes) são compreendidos como o ambiente no qual o indivíduo se desenvolve, ou seja, seu meio social, cultural e familiar. Alguns exemplos seria decidir fazer uma dieta restritiva, vivenciar uma crise familiar ou um luto. Para os fatores mantenedores, têm-se como exemplos as manutenções das relações familiares somadas às contribuições dos bombardeios de ideais de perfeição corporal dos veículos publicitários (forma de expressão cultural da atualidade).

COMO IDENTIFICAR UM TRANSTORNO ALIMENTAR?

A chance de recuperação aumenta o quanto mais cedo o transtorno alimentar for identificado. Os sinais e sintomas de atenção podem variar de acordo com o tipo de transtorno alimentar. Para saber mais acesse nosso material educativo aqui .

Se você desconfia que alguma dessas alterações esteja ocorrendo com você ou com alguém que você ama, não tenha medo, procure ajuda e orientação profissional adequada. É possível voltar a se relacionar de maneira saudável com a comida e com o corpo.

COMO É O TRATAMENTO?

Dada a complexidade, gravidade e cronicidade dos transtornos alimentares, já é um consenso que o tratamento exige o envolvimento plural de abordagens e profissionais. A equipe mínima é composta por três profissionais que sejam especializados na área: Psiquiatra, Psicólogo e Nutricionista. Outros profissionais, também importantes, podem compor a equipe, tais como: educadores físicos, fisioterapeutas, neuropsicólogos, enfermeiros, médicos de outras especialidades. Para entender um pouco mais sobre a atuação de cada um deles no tratamento clique aqui.

É POSSÍVEL PREVENIR?

O que sabemos hoje é que a prevenção pode ser feita com a população como um todo envolvendo desde o ambiente escolar com participação de professores, coordenadores, pais e alunos, até o governo com a regulamentação de medicações para emagrecer/suplementos/shakes.  No entanto deve-se dar maior atenção aos grupos de risco, como meninas adolescentes – geralmente mais preocupadas com peso e forma corporal, além de grupos que tenham como foco de trabalho, exigências com relação ao corpo e alimentação, como modelos, bailarinas, atletas, estudantes de nutrição e educação física.

Um alerta importante a todos profissionais, educadores e pais, é de que todas as ações, em qualquer nível, local, e grupo devem ter foco em mudanças de comportamento que promovam uma melhor relação com comida e corpo. Para saber mais acesse como prevenir sem causar danos

DICAS DE LEITURA

Fazendo as pazes com o corpo

O livro referenciado é um relato da jornalista Daiana Garbin a respeito do sofrimento pelo qual passou ao tentar atingir uma beleza ideal. Ditado por mídias sociais, o padrão de beleza dos dias atuais exige corpos emagrecidos em troca de sucesso, de felicidade, de fama, de dinheiro e de reconhecimento. Portanto, é um fator gerador de sofrimentos e adoecimentos. Se você acredita ter encontrado soluções em dietas e no emagrecimento, saiba que não funcionará! Confira o livro e o projeto “Eu vejo”.

Fontes: http://fazendoaspazescomocorpo.com.br/
http://www.euvejo.vc/sobre/

Como lidar com os transtornos Alimentares. Guia prático para familiares e pacientes

A obra referenciada foi organizada por dois médicos psiquiátricas, com co-autoria de profissionais da saúde com anos de experiência no tratamento e manejo de pacientes com transtornos alimentares. Uma dica de leitura para familiares e profissionais que possuem interesse em compreender um pouco mais sobre os transtornos alimentares.

Eu, ele e a enfermeira ... Na luta contra a anorexia

Neste livro, a autora Fernanda do Vale compartilha, de forma leve na medida do possível, sua luta contra a anorexia. O livro é um relato em forma de diário no qual a autora conta como foi sua internação poucos dias antes de seu casamento. É repleto de relatos emocionantes como por exemplo quando ela conta que tem um filho pequeno em casa e quando ela compartilha a carta que se seu noivo escreveu. Porém a autora consegue se abrir de maneira profunda usando um pouco de humor para amenizar as passagens fortes e emocionais.

O peso das dietas

A nutricionista franco-brasileira Sophie Deram mostra em seu livro que para viver com qualidade, sem sofrimento e com o peso saudável (e sustentável) é fundamental não fazer dietas e nem cortar da sua alimentação alimentos ou grupos alimentares completos.

Questões importantes são tratadas, como, por exemplo, porque a fisiologia está programada para fazer com que as dietas fracassem; porque as pessoas engordam fazendo dietas; porque aceitar seu corpo é essencial; e, porque o importante é buscar uma vida mais saudável, e não necessariamente um corpo magro.Além disso, há uma seção com dicas sobre como organizar o seu dia a dia na cozinha e com mais de 50 receitas saborosas e de fácil preparo.

O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres

A jornalista Naomi Wolf explica nesse livro clássico e atual, como os padrões estéticos são concebidos para controlar as mulheres. Aprisionar o valor feminino na beleza, na juventude e na magreza faz com que percamos força política e econômica, nos mantendo ocupada demais para outras questões.

A primeira versão do livro foi publicada em 1991 nos Estados Unidos e em 1992 no Brasil.

Essa é a 6ª edição que vale a pena pela introdução escrita pela autora em 2002, em que acrescenta como os transtornos alimentares têm relação com o “Mito da Beleza”

VÍDEOS EDUCATIVOS

APOIO OFICIAL: