A viralização dos transtornos alimentares em tempos de coronavírus